Um ano cheio de desafios e novidades para a Animus


É inegável que o ano de 2020 foi um grande desafio para todas as esferas e setores da sociedade. Em meio a um cenário que exigiu resiliência, a Animus agiu rapidamente para se adaptar a tantas novidades e também para apoiar os seus clientes.

“As empresas tiveram que reinventar a forma de atuar no campo social, muitas vezes em um contexto muito adverso. Isso levou a Animus a se adaptar a novas demandas, novos prazos e novas perspectivas. Nossos clientes contavam muito conosco para ajudá-los a entender e atuar nesse período”, destaca o CEO, José Maurício Fittipaldi. “Assessoramos nossos clientes a realizar a transição de uma programação presencial para digital, auxiliamos em processos complexos de acompanhamento de projetos já financiados e que não podiam ser realizados, com implicações de compliance; auxiliamos clientes a navegar em mares não navegados, quando, por exemplo, a situação exigiu uma mudança de foco, mais ligado à saúde ou assistência social”, exemplifica.


Na visão de Jasmin Eymery, o ano de 2020 vai ficar marcado em relação às experiências junto aos clientes da Animus, por diversos aspectos. “As empresas responderam de modo rápido ao cenário de crise. Foram resilientes, tiveram empatia e se voltaram à solidariedade. Elas mantiveram seus compromissos de investimento junto a proponentes e organizações sociais”, destaca.




Destaques do ano


Fabio Cesnik, sócio-fundador da Animus, ressalta que, em 2020, a empresa teve novidades e pontos positivos que devem ser celebrados. “Nesse ano firmamos parceria com a Aberje (Associação Brasileira de Comunicação Empresarial), tivemos a entrada das sócias Marina Mattaraia e Jasmin Eymery, conquistamos novos clientes e mantivemos nossos antigos”, comemora.


Em parceria com a Aberje e CQS, a Animus esteve no comando de três lives no final do ano, com os temas: Respostas do investimento social em tempos de crise: desenvolvimento com envolvimento; Impactos da pandemia para a cultura: do presencial ao digital; e Gestão, compliance e accountability: governança no investimento social privado. “As lives foram muito positivas. Houve muita troca de conhecimentos e de experiências. Tivemos como participantes empresas clientes e não clientes e há práticas que foram compartilhadas e que observamos que poderão ser aplicadas no nosso trabalho futuro”, reforça Cesnik.


Em 2020, a Animus iniciou um trabalho mais estruturado em termos de comunicação e visibilidade externa, o que rendeu muitos pontos positivos e experiências.




Perspectivas para 2021


A Animus prevê um novo ano também de muito trabalho, com várias ações a serem realizadas. “Acredito que será um ano em que haverá mais colaboração inter e intrasetorial. Espero uma forte mobilização no tema de empregabilidade e educação, em decorrência do aprofundamento das desigualdades nessas áreas, como consequência da pandemia”, ressalta Jasmin. Haverá um crescimento da agenda ESG (Em português, Ambiental, Social e Governança), com as empresas buscando maior integração entre o negócio e a definição clara de seu propósito, e aprimorando monitoramento, avaliações de impactos, sistemas para medições e evidências, entre outros.


Em 2021, a Animus quer continuar crescendo. “Como parte de um processo mais amplo, mas acelerado pelo contexto atual, o investimento social tem ganhado muito destaque na agenda das empresas e muito precisa ser feito para que isso se consolide”, destaca Fittipaldi. “Nosso plano é ampliar o leque de parcerias, ampliar a quantidade de conteúdo produzido, assim como abrir novas frentes de trabalho a partir das nossas premissas: investimento social com estratégia, gestão e governança”, enfatiza.